23 outubro 2010

Lamento de um pai de família


Como pode um homem carregado de filhos e sem fortuna alguma
ser poeta neste tempo de filhos só da puta ou só de putas
sem filhos? Neste espernear de canalhas, como pode ser?
Antes ser gigolô para machos e ou fêmeas, ser pederasta
profissional que optou pelo riso enternecido dos virtuosos
que se revêem nele e o decepcionado dos polícias que com ele
não fazem chantage porque não vale a pena. Antes ser denunciante
de amigos e inimigos, para ganhar a estima dos poderosos ou
dos partidos políticos que nos chamarão seus génios. Antes
ser corneador de maridos mansos com as mulheres deles fáceis.
Antes reunir conferências de  S. Vicente de Paula, para roçar
o cu da virtude pelas distracções das sacristias escuras e
ter o prazer de acudir com camisolinhas aos pobres entre os quais
às vezes aparece um ou uma que dá gosto ver assim tão pobre por
se lhe verem os pêlos pelos rasgões da camisa ou algo de mais
impressionante para o subconsciente que sempre está nos olhos
que docemente se comovem com a miséria. Antes ir para as guerras
da civilização cristã ou da outra, matar os inimigos da conta corrente
e das fábricas de celofânicas bombas. Antes ser militar.
Ou marafona de circo. Ou santo. Ou demónio doméstico
torcendo as orelhas dos filhos à falta de torcê-las aos filhos
da puta . Ou gato. Ou cão. Ou piolho. Antes correr os riscos do
DDT, das carroças que os municípios têm para os cães suspeitos
de raivosos como todos os cães que se vê não lamberem as partes
das donas ou mesmo dos donos. Antes tudo isso que assistir a tudo,
sofrer de tudo e tudo, e ainda por cima ter de aturar o amor
paterno e os sorrisos displicentes dos homens de juízo
que deram pílulas às esposas, ou as mandaram à parteira secreta e
elas quiseram ir. Antes morrer. (....)

Jorge de Sena, 40 Anos de Servidão, Edições 70, 1989
Fotografia: Misha Gordin

5 comentários:

Nina Blue disse...

Antes de ser, ser...

TERESA SANTOS disse...

Jorge de Sena na sua profundissima lucidez. Uma lucidez onde por vezes se detectam alguns sinais de cinismo, de sarcasmo, mas uma lucidez monumental.

Raylane - Poosh disse...

Noooossa ameei.
Tô te seguindo retribui ?

http://raylanelaeda.blogspot.com/

Ana Paula Sena disse...

Tudo excelente, Paulo.

...mas a imagem é um verdadeiro espectáculo!

Keila Costa disse...

...esse ser difuso se cada um, até nas possibiliddes improváveis, nas sobrevivências, vivências de ser, ser cada e todos em encontro e abandono...
Beijo Paulo