24 janeiro 2010

Amor Amoras



   Nasci no tempo de amoras bravas
   no tempo de silvas em brancos muros
   de borboletas gentis e abelhas rápidas
   de fontes frescas em verdes campos

   Nasci no tempo em que amoras sangram
   é por isso que me encanto
   quando me ofereces assim
   um cesto de amor
   do tempo em que amoras sangram
   
   
   
   

10 comentários:

João Menéres disse...

GOSTEI IMENSO!
E a fotografia de quem é?

Um beijo.

clara disse...

Obrigada, a foto foi roubada do Google, mas não tinha autor.
Um abraço.

Chris disse...

Gostei de visitar o seu espaço. Parabéns!
Um abraço
Chris

clara disse...

Um beijinho, Chris, já deixei recado no seu blogue.

Marta disse...

tão lindo, Clara!

eu não nasci nessse tempo. mas sinto que nasci.

:)

obrigada.

C. disse...

... e vou dizer ao teu pai que já namoras :=))))

Beijinho pela "compota" de amoras. Deliciosa!

Mar Arável disse...

Amoras pois claro

das pretas

nas azinhagas

clara disse...

Obrigada, Martinha, C. e Mar Arável.
E que tal umas torradinhas com doce de amora e um chá de maçã e canela? Hum...à lareira, de preferência.
Beijinhos.

António disse...

lindo poema de vida e de amor.
gostei muito.

clara disse...

Obrigada, António, um beijinho.