05 junho 2010

O eduquês como ideologia de incompetentes e oportunistas

Sugiro que usem alguns minutos do vosso tempo e conheçam esta intervenção de Guilherme Valente, um homem invulgar.

3 comentários:

relogio.de.corda disse...

Paulo
Obrigada pela inclusão deste vídeo. É de facto surpreendente a participação de Guilherme Valente. Vejam como se emociona ao recordar a certa altura a escola do salazarismo e como a doutrina que o Regime impunha acabou por criar jovens revolucionários com ideologias próprias(virou-se o feitiço contra o feiticeiro)...tudo aquilo que hoje não existe, ou pelo menos, não abunda muito por aí.
A educação, além de se ter transformado no tal "eduquês" tornou-se, desde há muito e mais flagrante com este Governo cor-de-rosa, um "isco" para apanhar votos. Pelo vistos, os professores são das poucas pessoas neste país a partilharem desta opinião...estranho...
E lá vamos nós ter, à tal política de aparências, como é referido no programa. Enfim...estou decepcionada com isto tudo. Palavra que estou!

Paulo disse...

Guilherme Valente, que eu só conhecia da sua actividade na Gradiva, revelou-se um combatente pela dignidade da escola. Merece todo o repeito, não só por isso, mas pela forma desassombrada, correcta e fundamentada como o faz.
Decepção é um sentimento que partilho consigo.
Obrigado

Austeriana disse...

É um excelente post.
Costumo acompanhar o «Plano Inclinado», também tinha assistido a este e voltei a rever este.
É formidável a clareza com que G. V. identifica a criação da "ideologia", os problemas para a combater e as consequências, se ela não for combatida.
O problema é que a cadeia de contágios e influências (conforme refere, de resto, também G.V.) já se constituiu uma teia cada vez mais kafkiana, pejada de jogos de interesses e de capelinhas de poderes.