26 junho 2010

A voz de um homem livre

O que eu acho, então, é que há uma soma de pessoas (na Igreja), e digo-o com respeito, que ficaram perfeitamente analfabetas, cheias de complexos, de maldade, de sensualidade, quase castradas. Quem conhece o mundo e o adora, olha-o de forma límpida e feliz. Eu dou graças à vida e aos educadores que tive, por olhar para o mundo de forma descomplexada e desinibida...
Entrevista ao Jornal i 26/06/2010  

Num tempo de silêncio e múltiplas cumplicidades, um tempo difícil para quem quer uma cidadania exigente, é de saudar os homens que têm uma voz própria e se exprimem  com coerência, inteligência e liberdade. 
D. Januário Torgal Ferreira é um homem assim e a sua entrevista de hoje ao jornal i merece uma leitura atenta . AQUI

1 comentário:

relogio.de.corda disse...

Quase que apetece usar uma expressão de um livro... estaremos nós perante um bispo "vermelhusco"? Embora,a cor aqui, não conte para nada. Conta sim, que este fiel seguidor da Igreja deve ser dos raros casos com uma visão actual e real dos tempos modernos e provavelmente, dos poucos que poderia fazer do catolicismo, aquilo que ela deveria ser presentemente; autêntica, verdadeira e aberta à sociedade. Tenho dito.
Bom fim de semana