28 agosto 2010

O Poema de Amor de Esteban Rojas

Esteban Rojas é um dos 33 homens que vivem hoje uma das mais dramáticas experiências a que um ser humano pode ser submetido. Encerrado com os seus companheiros, numa pequena galeria a 700 metros da superfície, prepara-se para a mais difícil prova: sobreviver as semanas necessárias (meses ?) até poder voltar a ver o céu e as estrelas.
Do fundo da Terra e da esperança escreve à companheira:...Y cuando salga compramos el vestido, y nos casamos...
Ficamos esmagados só de imaginar o que poderão ser os minutos que estes homens estão a viver.
Tem de nos emocionar a força indestrutível e a infinita capacidade de sobrevivência de alguém que, ali, coloca o amor no centro dos seus sonhos e do seu futuro.

Para Esteban e Jesica, as palavras de Neruda:

...Às vezes amanheço, e até a alma está húmida.
Soa, ressoa o mar ao longe.
Este é um porto.
Aqui te amo.

(Pablo Neruda, Vinte Poemas de Amor...)

9 comentários:

Teresa disse...

Lindo, Paulo. Espero bem que todos eles consigam superar esta dura prova nas suas vidas. Vamos acompanhar

Austeriana disse...

Exactamente.

Keila Costa disse...

Lamentável como a exploração dos recursos naturais, em busca da acumulação de riquezas pode gerar tanto descaso com a vida humana, que se vê às voltas com trabalhos perigosos e insalubres. Esse triste episódio fez-me lembrar a bela e inquietante história de Émile Zola, O Germinal...essas Minas das quais brotam gente, essas Minas vivas, grandes monstros que geram riquezas e dor e pavor, prestes a desmoranarem, a natureza invadida...aquela família de mineiros franceses nos idos do século XVIII...a Europa a sugar tudo da terra, na época a fonte de energia, o carvão, e agora nossa América Latina, os metais para a indústrias...essas ligas maravilhosas e 'malditas'...como tudo se repete...as nossos veias abertas, como bem contou Eduardo Galeano...e as histórias se repetem...
E o que falar de Neruda Paulo!?
Beijos

relogio.de.corda disse...

É verdade... não consigo imaginar-me num situação destas. Felizmente, que está a ser dado todo o apoio possível (incluindo o psicológico) para que os "estragos" na vida destes homens sejam minimizados. Isto, vai virar telenovela da vida real,como já se prevê, um pouco por todo o mundo. Infelizmente, a desgraça de uns, faz a "felicidade" de outros.
Oxalá, o TEMPO ajude e corra tudo pelo melhor.

Marta disse...

e sempre tão atento este blog... e tão lindo.

Mar Arável disse...

Muito belo e sentido

Uma experiência de vida

Abraço

Ana Paula Sena disse...

Um post belíssimo, Paulo.

Tocante a sensibilidade humana, mesmo soterrada. Os sonhos, os projectos, os sentimentos, o possível e o impossível de mãos dadas no enclausuramento - que mal podemos imaginar...

Resta esperar e crer no melhor desfecho, para fazer jus à coragem de quem lá está e aguenta firme.

Neruda é perto da perfeição.

Obrigada por esta homenagem.

Paulo disse...

Teresa, esperamos todos que saiam vivos do buraco. Terão de superar ainda muitas batalhas depois desta, mas isso vai, também, exigir muito de todos.
Austeriana, obrigado e bem vinda.
Keila, terrível a vida dos mineiros, daqueles e de todos. Geralmente famílias inteiras de homens que são consumidos pelo trabalho e pelas condições sub humanas em que ganham a vida. Por isso, também, o significado da carta / poema de Esteban Rojas. Neruda subscreveria por certo.
relogio.de.corda, o Tempo destes homens é já outro e dificilmente recuperarão de tudo por o que passam agora. Ao menos que se respeite a sua condição.
Marta, obrigada e o cumprimento vai também direitinho para o Há Vida em... beijo.
Mar Arável, mesmo nas mais duras condições há que faça poesia e aí encontre sentido para a vida.
Ana Paula, obrigado. Estar soterrado e conseguir ver uma nesga
de luz na escuridão e fazendo depois um poema que ilumine o coração de quem está fora é um raro exemplo do que de melhor pode haver num ser humano. Neruda, que tanto e tão bem cantou o amor, está certo aqui.
Bj

C. disse...

Paulo,
sempre esse olhar sensível em relação ao mundo, às pessoas:-)

Inimaginável um dia que seja nestas condições! Gostaria de acreditar que a força da esperança e dos sonhos os ajudará a sobreviver em condições tão adversas. Mas há tantos contratempos...