08 setembro 2009

Outro exemplo de "bom governo"

Os administradores executivos do Metro do Porto ganham mais do dobro do que os seus homólogos do Metro de Lisboa: o presidente executivo do Metro do Porto, Ricardo Fonseca, tem um salário-base mensal de 10 723 euros, mais do dobro que os 4752 euros recebidos por Joaquim Reis, do Metro de Lisboa, e os vogais executivos ganham 9748 euros, contra 4204 euros no metropolitano da capital.
Em 2008, ambas as empresas apresentaram prejuízos elevados: o Metro do Porto contabilizou um resultado líquido negativo de 148,6 milhões de euros e o seu homólogo de Lisboa registou um prejuízo de 126,7 milhões de euros.
O Metro do Porto gastou, em 2008, com as remunerações dos seus 12 administradores executivos e não-executivos, segundo as informações da página da internet da empresa, um total de 545 186 euros. Só a comissão executiva, constituída por três membros, absorveu 66 por cento daquele total, correspondente a 362 628 euros.
Até ao final de Março de 2008, Valentim Loureiro, Rui Rio e Mário Almeida, presidentes das autarquias de Gondomar, Porto e Vila do Conde, e Narciso Miranda, ex-autarca de Matosinhos, eram administradores não-executivos. Rui Rio e Mário Almeida mantêm o cargo e Marco António Costa, autarca de Vila Nova de Gaia, substituiu então Narciso Miranda. Em 2008, segundo o site da empresa na internet, foram pagas remunerações-base de 3708 euros a Valentim Loureiro,21 918 euros a Rui Rio, 16 834 euros a Marco António Costa,14 310 euros a Mário Almeida e 9750 euros a Narciso Miranda.
No final de Março de 2008, a comissão executiva de Manuel Oliveira Marques foi substituída pela equipa de Ricardo Fonseca. Ontem, Ricardo Fonseca confirmou ao CM que o seu vencimento-base "é basicamente o mesmo" daquele que foi atribuído a Oliveira Marques, que está fixado no estatuto remuneratório, mas frisou que abdicou do cartão de crédito.
Face às diferenças salariais entre as duas empresas, Ricardo Fonseca afirmou: "São as remunerações fixadas no Metro do Porto quando para lá fui". E comentou ainda que "o salário é também em função da dificuldade de gestão [nas empresas]".
Fonte: Aqui
..............................................
Prometo que só excepcionalmente voltarei a temas ligados a bons exemplos de bom governo por parte da gente que nos tem "governado".
No mesmo dia em que se conhecem os dados da OCDE sobre o Abandono Escolar, que regista Portugal no último lugar entre os 30 países da Organização - depois da Turquia e do México -, é útil saber que no pagamento a "gestores" somos, seguramente, uma vanguarda destacada.

3 comentários:

marteodora disse...

VIVEMOS NUM PAÍS DE FAZ-DE-CONTA.
E PARECE-ME QUE ASSIM VAMOS CONTINUAR.

PORÉM, NÃO ENTENDO SER NORMAL PENSAR ASSIM.

JÁ NÃO SEI SE É O PAÍS QUE NÃO É NORMAL, SE SOU EU QUE NÃO SOU NORMAL!

C. disse...

Acabei de ler e comecei a ficar nauseada.
Estamos entregues a esta gente - que deve ter "abandonado" a escola para se "enturmar" em escolas paralelas. Foi no que deu. É, de facto, um país a fingir, endividado e de gestão duvidosa.

Paulo disse...

marteodora, é verdade. Um país a fingir.Não há nenhum problema de se estar por fora desta "normalidade". Nenhum. Deixe-se estar :):)
C., a nausea surge, por vezes, como forma do organismo se defender das intoxicações.Obrigado.