21 setembro 2009

Sobre a alternância (na hora das escolhas)


O "efeito de alteração máxima" é um conhecido princípio que rege o processo de discriminação na aprendizagem dos animais. Por exemplo, se ensinarmos um rato a distinguir um quadrado de um rectângulo, e se o premiarmos ao reconhecer o rectângulo, ele aprenderá muito rapidamente a reagir aos quadrados. Mais ainda, se treinarmos o rato com um protótipo de rectângulo de determinadas dimensões, o rato reagirá ainda mais positivamente se lhe for mostrada uma figura ainda mais fina e comprida. Este curioso resultado implica que o que o rato aprende a valorizar, na realidade, não é um rectângulo em particular, mas sim uma norma: neste caso que os rectângulos são melhores do que os quadrados. Quanto maior for a proporção entre os lados curtos e os compridos, isto é, quanto menos aspecto de quadrado tiver, "melhor" rectângulo parecerá ao rato.
É o chamado
peak shift effect

Eduardo Punset,Viagem à Felicidade, Dom Quixote 2007
Fotografia
Diane Arbus


4 comentários:

Ana Paula disse...

Deveras interessante. E um bom tópico de reflexão nesta data.

A aprendizagem envolve aspectos realmente fascinantes :)

Austeriana disse...

:)))
Brilhante!

marteodora disse...

Deduzo, portanto, que, quanto a nós, perantes as alternâncias deveremos escolher o menor dos males, ou então fazer pesar na nossa escolha uma questão de utlidade.
Resumindo, como já toda a gente sabe, quadrados e gente quadrada não me seduzem, porém, é neles que se coloca a cruz na hora da decisão!

marteodora disse...

xiii, tantas gralhas no meu comentário...mil desculpas. A esta hora já não se espera outra coisa :)