07 outubro 2009

28, 968192 Km de livros



Uma manhã solarenga de Outono em Nova Iorque convida a andar.
Descendo a Broadway em direcção a Greenwich Village, no cruzamento com a rua 17, desembocamos na Union Square onde, à 2ª, 4ª 6ª e ao sábado, decorre um esplêndido mercado de rua que permite comprar produtos alimentares trazidos do campo e ali vendidos directamente pelos produtores. É também um espaço aproveitado por artistas "alternativos" para exporem e venderem as suas obras.
...
À distância de um olhar, imersa na confusão do trânsito, mas distinta pela cor do toldo , está a Strand Bookstore.
O nome foi-lhe dado a partir da rua que, em Londres, alberga dezenas de livrarias, alfarrabistas e editoras.
A Strand de Nova Iorque foi fundada em 1890 e é a sobrevivente de uma fileira de 48 livrarias que ocupavam todo aquele quarteirão. A publicidade define-a como a loja com 18 milhas (de livros)...
O que se nota é que é um sólido espaço de cultura, ancorado numa experiência recheada de modernidade, onde apetece estar e ficar, misturando-nos com as centenas de visitantes e compradores que deambulam pelos corredores recheados de livros até ao tecto.
A consulta posterior que fizemos ao site da Strand trouxe-nos a informação de que se pode comprar livros pela net , como em qualquer outra livraria actual, mas aqui existe uma outra modalidade (quiçá fruto do seu subtítulo...): pode-se comprar livros "a metro de estante" - meio metro de livros de arte, ou de História ou 1 metro e meio de Culinária, Ficção, Biografias...
No melhor pano cai a nódoa.

2 comentários:

Austeriana disse...

É um lugar extraordinário! Estive na Strand há uns bons anos atrás e fiquei totalmente rendida. Comprei aí o meu primeiro "Leaves of Grass" que guardo quase religiosamente.:)
Quanto aos livros a metro,... Enfim... mesmo os lugares extraordinários não são perfeitos. Tenhamos o raciocínio bondoso de que quem compre livros para encher estantes acabará um dia por ler com proveito (pelo menos)umas páginas de algum.

Paulo disse...

Austeriana, o lugar é mesmo extraordinário e tem como curiosidade adicional a existência de bancas de livros no exterior, em todo o quarteirão, o que permite consultar e tocar os livros ao ar livre. Ainda quanto aos livros para compor a estante, concordo e tenho a mesma opinião sobre a literatura dita "light": mais vale ler alguma coisa do que não ler nada.Obrigado.