14 abril 2009

Carne da minha carne

Sobre a reportagem que a Visão fez acerca da nossa família genética ancestral, encontrei um interessante comentário assinado por J. Sousa, que transcrevo.
Segundo ele, o estudo só nos dá uma parte do trajecto de cada um: Atenção! As análises do ADN mitocondrial e da zona não recombinante do cromossoma Y são importantes no estudo genético das populações, mas revelam muito pouco ou quase nada a nível individual. São, contudo, um bom negócio para os laboratórios que as realizam.
Estes exames apenas permitem avaliar a origem genética da mãe da mãe da mãe da mãe ………. da mãe da nossa mãe e do pai do pai do pai do …….. do pai do nosso pai esquecendo todos os outros antepassados como se, por exemplo, o pai da mãe do pai da mãe da mãe do nosso pai ou a mãe da mãe do pai do pai da nossa mãe nem sequer tivessem existido.
Se considerarmos que existe uma geração de 25 em 25 anos, alguém nascido em 2000, tem 2 antepassados (pai e mãe) nascidos em 1975, 4 antepassados (4 avós) nascidos em 1950, 8 antepassados (bisavós) nascidos em 1925, 16 antepassados (trisavós) nascidos em 1900, etc…, 1024 antepassados nascidos em 1750, mais de 1 milhão (1.048.576) nascidos em 1500, não sendo necessário recuar até à pré-história. Podem a Leonor Beleza, a Naide Gomes, e todos os outros, ficar descansados. Se, por absurdo, no final do séc. XV, 2 dos seus antepassados – o pai do pai do… pai do pai e a mãe da mãe da…. mãe da mãe – forem do grupo genético A e os outros 1.048.574 do grupo genético B, esta análise parcial do ADN dá 100% de positividade para o grupo genético A, mas o indivíduo tem certamente todas as características genéticas do grupo genético B. (J.Sousa)

3 comentários:

manuela disse...

É uma misturada global! Até os neonazis já desistiram de salvar a ‘raça pura’, agora reduziram o campo de acção à preservação da Europa mais ou menos branca e da África mais ou menos negra. Já abrandaram o combate a outros cruzamentos mesmo fora da parentela indo-europeia, desde que não subsarianos.

Uns patuscos anacrónicos, pensam que o dedo no furinho vai impedir o dique de transbordar. Coisas do demo, porque tenho a certeza de que deus-nosso-senhor integrou, na planificação das actividades dos milénios, a mistura das populações, aproximando-as virtualmente de uma tribo homogénea.

E completa-se o ciclo. Mas que não me façam voltar para África, é quente demais, deixem-me aqui quietinha nestes amenos 23º.

clara disse...

Pois é e, entretanto, alguém anda a ganhar muito dinheiro à custa dos patuscos que anseiam ser descendentes de nórdicos.O mais engraçado é que vai quase tudo parar a África, claro, onde parece que tudo começou.

vaandando disse...

... negócios que nos entretêm ! È vero?

________ CORDIALMENTE

-_________ JRMARTO