30 abril 2009

Singularidades de um artista centenário



"Singularidades de uma Rapariga Loira" é um conto de Eça de Queirós publicado em 1902. Foi a partir deste conto que Manoel de Oliveira realizou o seu 49º filme, o primeiro depois de ter completado 100 anos.
O conto que serve de base ao filme, narra a estória de Macário, jovem integro e trabalhador que se apaixona pedidamente por Luisa. Para consumar esta paixão, perde o emprego e ê obrigado a afastar-se da família. Mais tarde, um incidente numa ourivesaria vai fazer com que Macário se aperceba que Luisa não é quem ele sonhou.
A ironia e a crítica social de Eça transposta para o cinema.

Para ver, sim.

4 comentários:

vaandando disse...

...quero ver , claro!
Percebo que tens o teu calendário cinéfilo em dia...
abraço

_________ JRMARTo

Paulo disse...

Sabes, não escrevo... tenho tempo livre :):)
Abraço grande

clara disse...

Gosto muito de Oliveira, gosto da sobriedade, da demora tão a contra-gosto, da forma como vê as mulheres, as casas, Portugal. Ele ama as nossas coisas, a paisagem, a História.

Marta disse...

Oh Clara, subscrevo as suas palavras uma por uma! Eu também gosto íssimo. E não é de agora!
Estou mortinha para ver essas duplas singularidades - as do artista e as de Luísa, pelos olhos de Manuel de Oliveira! [excelente o título do post, Paulo!].
Para além de que sou uma queirosiana filiada!Em Tormes!