13 abril 2009

Depois das amêndoas

Em escuta de fim de dia, guiada por sugestões de uma páscoa entre amigos, lembrando a amena cavaqueira sobre Bosquímanes e supostas verdades da genética e da linguística.

Com estalinhos, como em Miriam Makeba (oiçam) ou sem estalinhos na voz de Angélique Kidjo, o gosto de ouvir outras raízes, como neste Summertime absolutamente diferente.
Ah! E a vaidade de descender dos Silvas (da Beira Alta, mas que importa?).

3 comentários:

clara disse...

Olha que, se calhar, esta língua dos estalinhos tem futuro: com o reduzido vocabulário da nossa gente nova, é uma saída...
Muito interessante, a música linda e esse povo eloquente.

manuela disse...

Eu aposto no 'eu Tarzan, tu Jane, ela Cheetah', é ainda mais económico. E está tudo dito, que mais pode interessar ao mundo do que o bom entendimento do par nuclear com a sua nini?

vaandando disse...

Três marcas ou mais , imagem , música e os » aquis» , onde vou ouvir a outra senhora !
E...
Até já!

________ JRMARTO