15 abril 2009

sobre(viveres)

psipax ao pequeno almoço e almoço (isto é tipo prozac, não é?), anafranil75 ao almoço e jantar, triticum100 ao deitar, priadel400 dois ao pequeno almoço, perdin ao deitar, alpazolam pequeno almoço almoço e jantar. Acho que não esqueci nenhum… e a tristeza não me deixa. Parece um cão ferrado, quinze dias internada e saio assim, já viu? Duas semanas meia embrutecida e no final, “as coisas estão melhores, pode ir até casa, anime-se, vá ao café, faça amizades”… e eu chego a casa, não desfaço as malas nem levanto as persianas. Fico sentada no quarto, a olhar as paredes brancas ou enrolada, deitada na cama, tal qual como quando estava no hospital. Sozinha, parece que desprezada por todos, mas todos são quem? ... não há ninguém. A miúda entrou na universidade e só liga para pedir dinheiro, o marido no cemitério há quinze anos (tinha vinte e nove, sabia?) … e alegria porquê? Nada. E conviver com amigas.... mas se são todas casadas e aqui neste lugar não vamos ao café, as mulheres? Olhe, é sempre uma saudade não sei do quê, sempre uma dor no peito, este novelo que sobe e desce e não desaparece. As noites sem conseguir dormir uma hora seguida, mas prefiro a noite, com o silêncio parece que custa menos a passar o tempo, deve ser por isso que não abro as cortinas nem acendo luzes, às vezes deixo a televisão acesa, sem som, na cozinha. A casa fica azulada e eu ando por ali. Quase não saio, quer dizer, vou ao minimercado, compro o básico e fecho-me outra vez… até o gato já se habituou. Às vezes nem atendo as chamadas da minha filha, para não piorar tudo, porque acabamos a discutir por ninharias e depois choramos sem destino. Mas o que me faz mais diferença é não dormir… e tremo muito. No hospital dormia, sim. E tomo tanta porcaria, já viu… alpazolam pequeno almoço almoço e jantar, perlin ao deitar, priadel400 dois ao pequeno almoço, triticum100 ao deitar, anafranil75 almoço e jantar, psipax pequeno almoço e almoço (isto é tipo prozac, não é?)

4 comentários:

clara disse...

Excelente, muita gente vive assim-anestesia total, e o pior é que os médicos não percebem que o caminho é outro.
No consultório, mal olham para os doentes, estão logo de caneta na mão para escrever a receita. Há excepções, claro, como em todas as profissões.
É triste, muito triste...

Anónimo disse...

Uma névoa permanente a pairar sobre a vida de todos aqueles que têm dificuldade em encontrar o caminho... o seu caminho..
CM

Marta disse...

Tão real! Até o tom azulado da casa.Com a televisão ligada. Sem som.

vaandando disse...

tão triste que até á vontade de não sei o quê, tão verdadeiramente triste....

__________ JRMARTO